Últimas notícias

Saúde

  • EUA decretam estado de emergência por causa da varíola dos macacos
    EUA decretam estado de emergência por causa da varíola dos macacos

    O governo dos Estados Unidos decretou na quinta-feira, 4, estado de emergência nacional por causa da varíola dos macacos. Isto significa que o surto passa a representar uma ameaça significativa para a população americana, e permite que se coloque em ação uma série de medidas para aliviar e diminuir o número de casos da doença.

    Porém, especialistas e sanitaristas criticam a administração Biden por atrasar a adoção da medida, um vez que a Organização Mundial da Saúde (OMS), trata a doença como emergência mundial desde o dia 23 de julho. 

    O decreto de emergência, vai permitir que agências federais tenham a prerrogativa de direcionar verbas federais para o desenvolvimento e avaliação de vacinas e medicamentos. Vai permitir também financiamento emergencial e contratar trabalhadores adicionais para auxiliar a gerenciar o surto da varíola dos macacos, que ressurgiu em maio.

    O estado de emergência vai permitir que agências federais estejam livres de uma série de burocracias, a exemplo di que aconteceu por ocasião da pandemia do coronavírus. Vai permitir também que os Centers for Disease Control and Prevention (CDC) tenham maior acesso às informações de profissionais de saúde e dos estados, uma vez que não podem obrigar que os estados compartilhem dados sobre casos e vacinas.

    No início desta semana, Biden nomeou Robert Fenton, um respeitado especialista em doenças infecciosas como coordenador de resposta da Casa Branca e Demetre Daskalakis, como vice-coordenador.

    Os Estados Unidos registraram na quinta-feira, 7.102 casos da varíola dos macacos. New York com 1.748 casos; Califórnia com 826 casos; Illinois com 571 casos; Texas com 559 casos; Flórida com 577 casos; Geórgia com 544 casos são os estados que registram o maior número de contaminados. O estado de Massachusetts tem 157 casos registrados de doentes com a varíola dos macacos. New York, Illinois e Califórnia decretaram estado de emergência sanitária. No mundo todo foram registrados 26.864 casos. No Brasil são 1.474 casos.   

    A varíola dos macacos é transmitida pelo vírus monkeypox, que pertence ao gênero orthopoxvirus. É considerada uma zoonose viral (o vírus é transmitido aos seres humanos a partir de animais) com sintomas muito semelhantes aos observados em pacientes com varíola, embora seja clinicamente menos grave. O período de incubação da varíola dos macacos é geralmente de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias, segundo a OMS.

Imigração

  • Justiça proíbe George C. Maroun Jr., de exercer advocacia
    Justiça proíbe George C. Maroun Jr., de exercer advocacia

    O advogado de imigração George C. Maroun Jr., foi proibido de exercer a advocacia pela Middlesex County Superior Court em sentença que foi anunciada na terça-feira, 9. Maroun Jr., terá ainda de ressarcir clientes que foram enganados por ele através de processos falsos de asilo e outras petições de imigração.

    Maroun Jr., poderá solicitar nova licença para advogar e terá que passar por um teste de ética legal. Em abril, o Board of Bar Overseers havia recomendado a suspensão da licença para advogar de George C. Maroun Jr. A sentença e seus efeitos foi proferida pela juíza Elspeth B. Cypher.

    Entenda o caso
    O advogado George C. Maroun Jr., foi processado pela Procuradora-Geral do Estado de Massachusetts Maura Healey por praticar um esquema de asilo na comunidade imigrante brasileira, foi condenado por desenvolver práticas injustas ou enganosas, por um juiz a pagar mais de US$ 240.000 em multas e restituição, e impedido de quaisquer futuros serviços de imigração.

    A condenação proferida, emitida após um julgamento de 12 dias em outubro de 2021 na Middlesex Superior Court, é resultado de uma ação civil movida pela Procuradoria-Geral em 2018, alegando que George C. Maroun Jr., visava a comunidade brasileira e empregava rotineiramente práticas enganosas, e em violação da Lei de Defesa do Consumidor do estado, expondo os motivos do processo.

    “O modelo de negócios deste advogado visava explorar imigrantes que procuravam ajuda legal e lucrava às suas custas, ao mesmo tempo em que os colocava em risco de deportação. Este foi um caso muito disputado pelo meu escritório, e temos o prazer de garantir a restituição e responsabilizar o acusado por essas práticas ilegais”, disse a Procuradora-Geral Healey.

    Maroun é advogado de imigração e mantinha escritórios de advocacia em vários locais, inclusive em Somerville, Woburn, Chelmsford e Stoneham, todos em Massachusetts. De acordo com o processo da Procuradoria-Geral, desde janeiro de 2013, Maroun apresentou petições e solicitações relacionadas à imigração em nome de mais de 1.000 residentes em Massachusetts, muitos dos quais são brasileiros e tem vocabulário limitado no inglês.

    Com base nas evidências apresentadas no julgamento, o juiz considerou que Maroun violou repetidamente a Lei de Proteção ao Consumidor ao apresentar pedidos de imigração em nome de novos clientes sem seu conhecimento ou consentimento; deixar de explicar os processos legais que ele usaria em seus casos ou os possíveis riscos ou benefícios desses processos; arquivar pedidos de asilo e declarações juramentadas contendo informações falsas, arquivar pedidos de asilo intempestivos que quase certamente resultariam em negação e levariam a processos de remoção e deportação; fazer falsas garantias e declarações falsas sobre a probabilidade de Maroun garantir aos clientes o status de imigração legal; e usando ameaças de deportação para cobrar honorários advocatícios.

    Pela sentença judicial, Maroun foi obrigado a pagar um total de US$ 241.800, incluindo US$ 160.000 em multas civis e US$ 81.800 de restituição para clientes afetados. Maroun também está permanentemente proibido de representar novos clientes, apresentar pedidos de imigração ou solicitar honorários advocatícios sem divulgar e explicar completamente os processos legais, as opções disponíveis para os clientes e quaisquer riscos e benefícios para seus serviços.