Nesta semana, parte do legislativo de Massachusetts deu um passo importante para corrigir uma das grandes injustiças para com imigrantes indocumentados no Estado, ao aprovar na State Representative o projeto de lei H.4461 – Work and Family Mobility Act, que agora vai para ser votado no Senado estadual. Ter uma carteira de motorista em Massachusetts é um privilégio outorgado pelas autoridades e emitido pela Register of Motor Vehicles (RMV).

Sim, sem dúvida alguma que reconhecemos este privilégio, mas ressaltamos a relativa injustiça que se comete, sem contudo questionar os seus méritos, principalmente porque todos nós trabalhamos e contribuímos para o engrandecimento ainda mais desta nação que nos acolhe.

No entanto, há a oposição do governador republicano Charlie Baker que desde sempre se diz contrário a outorgar tal privilégio para quem não tem documentos legais. Baker é raso nos seus argumentos e um dos seus possíveis temores é que indocumentados de outros estados venham para cá tirar a carteira de motorista. Alguém precisa informar ao governador que é o contrário que acontece. Outro provável temor de Baker, que não vai concorrer a uma reeleição é a de que possíveis fraudes possam ocorrer, entre outros. Penalizar gente honesta e idônea por causa de falta de esclarecimentos é insensibilidade total. A torcida, é para que o Senado aprove com a medida com votos que não dependam do governador e que ele seja ultrapassado pelo regimento legal.

O grande paradoxo é que o povo que ajuda a fomentar progresso e construir estradas, pode comprar qualquer carro que esteja dentro das suas posses, mas não tem o direito a uma habilitação, pode registrar o carro, mas tem que deixá-lo parado na garagem, pois se dirigir vai transgredir a lei.

É claro que tudo isto faz parte de uma discussão muito ampla e complexa que não cabe num artigo ou num editorial, mas nada impede que possamos discuti-la sim. Devemos lembrar que a América sempre teve as suas portas abertas para povos de todos os lugares do mundo e foram os primeiros imigrantes que trataram de transformá-la na potência que é hoje.

Muitos povos diferentes fizeram da América a sua casa e deixaram os seus países para aportar na América e fixar aqui residência. Vieram às multidões. Até o final dos anos 70 no século 20, quase seis milhões de italianos desembarcaram nos Estados Unidos, principalmente em New York City e arredores, onde dominaram bairros inteiros. Grande parte destes italianos eram semi-analfabetos, e sofreram preconceitos por professarem o catolicismo. Os italianos sofreram os desgostos da falta de planejamento e muitos desistiram do sonho americano e voltaram para a sua terra.

Carente de mão de obra não especializada, os Estados Unidos destina aos imigrantes os postos de trabalho que o americano jamais deseja. Com isto a oferta de empregos sempre foi maior que a demanda de mão de obra, sempre farta, pois o que nunca faltou foi imigrante chegando todos os dias aos milhares.

A contribuição que a imigração trouxe e traz para o Estado de Massachusetts é imensurável e mesmo com grande número de indocumentados, a economia estadual depende sim desta força de trabalho que não pode ser desprezada.

Dar a milhares de indocumentados o privilégio legal de ter uma carteira de motorista é mais que uma obrigação moral, é reconhecer que o trabalhador imigrante é parte importante de todo o progresso neste estado e não pode permanecer na indigência total da falta de documentos.

Grande parte destas pessoas estão nas sombras por falta de documentos, mas contribuindo com o seu suor e dinheiro para que a América e em especial o Estado de Massachusetts sejam sempre prósperos. 

Portanto, é a hora do governador Baker passar por cima das suas convicções retrógradas e fazer um ato de justiça e retidão. Do contrário entrará para a história como um governante que protagonizou uma grande injustiça com quem contribui com sangue, suor e esforço para o progresso deste estado. A conferir…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *