Sobe
Tite
A seleção brasileira pode jogar um futebol meia boca, mas o treinador disse em entrevista que recebeu sondagens do PSG e do Real Madrid

Desce
Jogador baladeiro
A mais recente vítima da caça a jogador baladeiro é Lucas Crispim, que foi afastado pelo Fortaleza por comemorar seu aniversário

Como foi a rodada
Mesmo com a vitória do Corinthians contra o Goiás, a liderança da Série A é do Palmeiras com 25 pontos ganhos; o Athletico-PR é o 3º colocado com 21 pontos ganhos e o Atlético-MG que ganhou do Flamengo é 4º colocado também com 21 pontos ganhos. Na zona de rebaixamento estão o Goiás em 17º com 14 pontos ganhos; o Cuiabá está em 18º com 13 pontos ganhos; o Fortaleza é o 19º com 10 pontos ganhos e na lanterna está o Juventude que tem 10 pontos ganhos. Na Série B, o Cruzeiro continua como líder com 31 pontos ganhos; com 27 pontos ganhos, o Vasco é o vice-líder, o 3º é Bahia com 25 pontos e fechando o G4 o Sport tem 20 pontos ganhos. Na zona de rebaixamento estão o Náutico, em 17º e a Chapecoense em 18º com 13 pontos; a Ponte Preta está em 19º rodos com 12 pontos ganhos; e na lanterna está o Vila Nova com 11 pontos ganhos.

Campeonato Brasileiro
Série A
Campeonato Brasileiro
Série A
13ª rodada
Terça, 18 de junho
Cuiabá 0 x 0 Ceará 
Santos 2 x 2 RB Bragantino
Domingo, 19 de junho
Atlético-MG 2 x 0 Flamengo
Corinthians 1 x 0 Goiás
Coritiba 0 x 1 Athletico-PR
Internacional 2 x 3 Botafogo
Fortaleza 1 x 0 América-MG 
Atlético-GO 3 x 1 Juventude
Fluminense 2 x 0 Avaí
Segunda-feira, 20 de junho
São Paulo x Palmeiras

Série B
Terça-feira, 14 de junho
Bahia 0 x 1 Chapecoense
Quinta-feira, 16 de junho
Cruzeiro 2 x 0 Ponte Preta
Vila Nova 0 x 0 Operário
Sexta-feira, 17 de junho
Criciúma 0 x 1 Brusque
CRB 1 x 1 Ituano
Sábado, 18 de junho
Grêmio 2 x 0 Sampaio Corrêa
Novorizontino 1 x 3 Tombense
Londrina 0 x 1 Vasco
Náutico 1 x 1 Sport
Domingo, 19 de junho
Guarani 0 x 0 CSA

Baladas.com
Sempre existiu balada de jogador de futebol e o fenômeno não é recente como muita gente pensa. A questão é que no passado não havia celulares com câmaras fotográficas, paparazzis dando plantão em portas de boates e bares e uma fiscalização implacável das torcidas. Claro que os atletas têm todo o direito de ir para onde bem entenderem, mas vá tentar explicar isto para o torcedor que é fanático e acha que o jogador deve ser escravo e só jogar futebol. A grande questão é quando as baladas atrapalham o time, tal como aconteceu com o Palmeiras no Campeonato Brasileiro em 2009 quando a torcida reagiu com violência ameaçando, pressionando e batendo em jogador. As vítimas, ou vilões da sempre será o jogador que estiver na crista da onda que por um infortúnio qualquer é flagrado numa balada e consequentemente ameaçado por torcedores. 

Anti-profissionais
No futebol de hoje, já não há mais espaço para qualquer tipo de amadorismo, principalmente de quem ganha milhões todos os anos. Os clubes europeus têm cartilhas com os detalhes de como deve ser o comportamento dos jogadores. Onde eles podem e com quem devem ir. Mesmo assim, há os que extrapolam e são multados por isso. Basta ler a imprensa espanhola para saber o nível de estresse que rolava quando alguns galácticos da época de Ronaldo e Roberto Carlos saiam para badalar na noite madrilenha. Tanto fizeram que a paciência acabou e cada qual foi para o seu canto. 

Chatos de plantão  
Certa feita, inconformado com a má fase do time, Alexandre Kalil ex-prefeito de Belo Horizonte e então presidente do Atlético-MG, botou a boca no mundo e jogou a torcida contra os jogadores ao afirmar que não seria uma má ideia se os torcedores dessem uns bons sopapos em quem vivia pelas baladas e festas na madrugada. Uma das torcidas uniformizadas do Galo lançou um disque-denúncia para descobrir quem andava fazendo noitadas. O Ministério Público reagiu e ameaçou processar o dirigente pela sua falácia. Acabou não dando em nada. Cada vez mais sabe-se que não há privacidade em qualquer lugar que se vá, pois o que não falta é câmera fotográfica digital em celulares a postos para fotografar tudo que num minuto estarão postadas em páginas na internet. O desportista ou a celebridade nunca está sozinho em lugar algum e sempre a sua volta vai haver alguém para vigiá-lo devidamente. O centroavante Jô deixou o Corinthians na semana passada de pois de ter sido flagrado numa balada.

Brincando com fogo
Nos últimos tempos as torcidas ditas uniformizadas não perdoaram as más fases dos seus times e volta e meia invadem os treinos para tirar satisfação com jogadores para cobrar empenho e dedicação. Torcedor – principalmente o uniformizado na maioria das vezes não pensa nas consequências do faz e quer é mesmo partir para o confronto e pressão. Em 2009, a debandada de Vagner Love do Palmeiras para o Flamengo, passou exatamente por isso. Mesmo numa cidade imensa como São Paulo não existe privacidade e desde sempre se soube que Love gostava de uma balada que jamais perdia uma chance sequer de se divertir. Como os resultados não foram os esperados a torcida – principalmente a uniformizada logo tratou de pressionar o jogador e de o agredir fisicamente, o que já havia acontecido um ano antes com Vanderlei Luxemburgo numa viagem do time ao Rio de Janeiro. A delegação foi emboscada no Aeroporto de Congonhas e Luxemburgo teve o seu braço ferido pela violência e fúria de alguns torcedores.

Nada justifica
Qualquer tipo de violência deve sempre ser repudiada de imediato e por mais que o torcedor ou aficcionado tenha seus direitos, ele termina quando começa o do outro ser humano. Porém, alguns torcedores são tão fanáticos por seus times e associações que ficam verdadeiramente cegos e acham que somente na força bruta é que colocarão as coisas nos seus devidos lugares. Jogador joga e torcedor torce. O que cada qual faz longe dos campos e dos estádios é problema de cada um. Qualquer coisa além disto, tornará o convívio de uns e outros cada vez mais difícil.

Foto: C. A. Mineiro

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *