Resumo da rodada
O Atlético-MG é o líder com 45 pontos ganhos; o Palmeiras em 2º tem 38 pontos; o Flamengo com 34 pontos ganhos é o 3º e fechando o G4, o Fortaleza está em 4º com 33 pontos ganhos. Na zona de rebaixamento estão o Grêmio com 22 pontos ganhos em 17º; o América-MG em 18º tem 22 pontos ganhos; o Sport é o 19º com 17 pontos; e na lanterna, a Chapecoense tem 10 pontos ganhos. Na Série B o líder é o Coritiba com 48 pontos ganhos; o Goiás é o vice-líder com 45 pontos ganhos; o Botafogo é o 3º com 44 pontos ganhos e o CRB é o 4º colocado com 41 pontos ganhos. Na zona de rebaixamento estão o Vitória em 17º com 24 pontos ganhos; o Londrina em 18º com 21 pontos ganhos; o Confiança é o 19º com 17 pontos ganhos e o Brasil de Pelotas com 16 pontos é o lanterna.

Série A
21ª rodada
Sábado, 18 de setembro
Chapecoense 0 x 2 Palmeiras
Athletico-PR 2 x 1 Juventude
Atlético-MG 3 x 0 Sport
Ceará 0 x 0 Santos
Bahia 1 x 1 RB Bragantino
Domingo, 19 de setembro
Internacional 1 x 0 Fortaleza
São Paulo 2 x 1 Atlético-GO
Corinthians 1 x 1 América-MG
Flamengo 0 x 1 Grêmio 
Segunda-feira, 20 de setembro
Cuiabá x Fluminense

Série B
25ª rodada
Domingo, 19 de setembro
Vasco 1 x 1 Cruzeiro

Continuando a série sobre rivalidades no futebol, a seguir vai uma relação dos grande clássicos regionais mundo afora. São jogos grandes que provocam paixão e cuidados para que as torcidas não se peguem de socos, pontapés e tapas.

Milan x Inter jogaram no Gillette Stadium em 2011. Foto: Jehozadak Pereira

Combustão
Brigas em clássico regionais sempre existiram, pois para certas rivalidades perder para o vizinho é das piores coisas que podem acontecer. No mundo todo é assim. Algumas destas rivalidades podem ser civilizadas, outras beiram a selvageria. Mas quais são alguns destes clássicos que provocam frisson e que sempre que acontecem estão a um passo de um conflito em larga escala. Jogos onde o pau quebra em todos os tempos verbais – passado, presente e futuro, sem a menor cerimônia. A diferença hoje é que a televisão e os meios de comunicação tratam de expor as atividades das torcidas. As autoridades fazem de tudo para coibir a violência e em alguns países como a Inglaterra e Itália implantaram legislações específicas para penalizar os brigões e moralizaram um pouco o convívio, mas mesmo assim, são jogos de altíssima combustão e rivalidade, sem excluir a violência:

Celtic x Rangers – Escócia
Roma x Lazio – Itália
Milan x Internazionale – Itália
Boca Juniors x River Plate – Argentina
Al Ahly x Zamalek – Egito
Galatasaray x Fenerbahce – Turquia
Olympiacos x Panathinaikos – Grécia
Estrela Vermelha x Partizan – Sérvia
Wydad x Raja – Marrocos
Corinthians x Palmeiras – Brasil
Peñarol x Nacional – Uruguai
Cruzeiro x Atlético-MG – Brasil
Grêmio x Internacional – Brasi

Caldeirão
Clássicos pegados como Barcelona x Real Madrid acontecem em muitos países onde o futebol é a grande paixão. Na Turquia quando jogam Galatasaray x Fenerbahce, é um clima tão tenso que quem faz o policiamento é um pelotão anti-terrorismo por causa do ódio que as torcidas alimentam uma contra a outra. Na Argentina não é diferente quando se enfrentam River Plate x Boca Juniors que durante muito tempo jogaram de dia por causa das brigas e conflitos entre torcedores. Na Holanda as torcidas de Ajax x Feyenoord foram proibidas por anos de acompanhar o seu time quando um clube fosse jogar contra o outro na casa do adversário por causa de brigas e arruaças. Os conflitos entram no campo do racismo e do preconceito, pois o Ajax tem tradicionalmente a simpatia da colônia judaica e são chamados pejorativamente de joden – judeus. Para provocar, os torcedores do Feyenoord cantam Hamas, Hamas, joden ann de gas – Hamas, Hamas, judeus vão para o gás, numa tradução livre ou então shhhhhh, que seria hipoteticamente o som das câmaras de gás nazistas. Quando torcedores do Ajax entocam algum do Feeynood tiram todas as diferenças, mesmo que sejam 10 contra um. 

Fogueira
Na Sérvia quando jogam Estrela Vermelha x Partizan Belgrado a coisa é tão brava que uma das torcidas só pode sair do estádio horas depois de terminado o jogo e são escoltados pela polícia que invariavelmente evita emboscadas. O brasileiro Cleo, jogou no Estrela Vermelha e se transferiu depois para o Partizan Belgrado foi ameaçado de morte por causa disto. A torcida do Estrela Vermelha é tão violenta e hostil que certa vez quando o time foi eliminado da Champions League em casa, quebrou os carros de todos os jogadores, além de ameaçá-los o tempo todo.    

Chicão não se intimidou e parou os argentinos na pancada e no grito

Histórias da bola
Aqui não tico tico…
O falecido volante Chicão, era o exemplo perfeito de jogador viril e valentão. Na Copa do Mundo da Argentina em 78, Chicão enfrentou e parou os argentinos na pancada e sequer foi admoestado e aí daquele que vestisse uma camisa azul e branca que ousasse passar na sua frente. Na partida que ficou conhecida como a Batalha de Rosário, Chicão parou a Argentina que tinha um time temível, rápido e técnico. O primeiro que passou o pé em cima da bola tomou uma peitada. O segundo que quis fazer uma graça levou um pisão. O terceiro foi devidamente levantado a um metro de altura e não se falou mais nisso. O atacante Luque era maldoso e tinha má fama, pois havia sido presidiário. Na primeira bola dividida com Chicão a sua canela ficou em carne viva e ele foi jogar do outro lado do campo bem longe dos pontapés do volante valentão. 

Jehozadak Pereira

By Jehozadak Pereira

Jehozadak Pereira, é jornalista profissional especializado em jornalismo comunitário e produção de conteúdo informativo e de utilidade pública. É ganhador de inúmeros prêmios e reconhecimentos pela qualidade do seu trabalho comunitário e voluntário. É o editor-chefe e principal articulista do A Notícia USA.

Leave a Reply

Your email address will not be published.