Sobe
Pontos corridos funcionam sim e a prova disto é a Premier League. Faltando cinco rodadas para o fim, o Manchester City tem 80 pontos ganhos e o Liverpool tem 79 pontos ganhos, numa disputa eletrizante

Desce
O ano de 2022 não tem sido generoso com o super campeão de Fórmula 1 Lewis Hamilton. Com 28 pontos, o inglês está distante de Charles Leclerc que lidera com 86 pontos. Para piorar as coisas, o carro que a Mercedes Benz deu a Lewis este ano é dos piores da história…

Como foi a rodada
O Palmeiras não tomou conhecimento e ralou o Corinthians sem qualquer cerimônia e se recuperou na tabela. O Galo surpreendentemente abriu vantagem e deixou o Coritiba empatar. Já o Flamengo perdeu para o Athletico-PR. O Santos lidera a Série A com 7 pontos ganhos; o Galo é o 2º também com 7 pontos; o Corinthians em 3º tem 6 pontos e o Cuiabá, também com 6 pontos é o 4º, fechando o G4. Na zona de rebaixamento estão o Atlético-GO em 17º com 2 pontos ganhos; em 18º e 19º estão respectivamente o Goiás e o Juventude e na lanterna, o Fortaleza sem nenhum ponto ganho.    

Campeonato Brasileiro
Série A
3ª rodada
Sábado, 23 de abril
RB Bragantino 1 x 1 São Paulo
Athletico-PR 1 x 0 Flamengo
Fluminense 0 x 1 Internacional
Palmeiras 3 x 0 Corinthians
Atlético-MG 2 x 2 Coritiba
Domingo, 24 de abril
Santos 3 x 0 América-MG
Juventude 0 x 1 Cuiabá
Atlético-GO 1 x 0 Botafogo
Segunda-feira, 25 de abril
Avaí x Goiás
Quarta-feira, 1 de junho
Fortaleza x Ceará

Série B
3ª rodada
Quinta-feira, 21 de abril
Grêmio 3 x 1 Guarani
Londrina 1 x 1 Novorizontino
Sexta-feira, 22 de abril
CSA 1 x 1 Bahia
Chapecoense 0 x 0 Vasco
Sábado, 22 de abril
Criciúma 1 x 1 Sport
Ponte Preta 1 x 0 CRB
Sampaio Corrêa 3 x 1 Brusque
Ituano 3 x 1 Vila Nova-GO
Tombense 1 x 1 Cruzeiro
Domingo, 24 de abril
Náutico 2 x 0 Operário

Truculência
Zé Ricardo, treinador do Vasco subiu no telhado na última quinta-feira, 21, quando o time embarcava para jogar contra a Chapecoense, ao ser confrontado e pressionado por alguns torcedores exaltados. Zé Ricardo foi desrespeitado diante de todos e não seria surpresa alguma se resolvesse ir embora naquele instante. Porém, é impressionante como profissionais do futebol fiquem desamparados e expostos por suas diretorias diante de gente truculenta e ensandecida. O Vasco tem descido a ladeira do futebol de maneira acentuada nos últimos anos e não é nem sombra do grande clube que foi num passado recente. A crise do time de São Januário tem sido constante e a exemplo de grandes camisas do futebol brasileiro, o Vasco é um clube decadente e melancolicamente segue a passos largos para a insignificância. Os menos culpados deste estado de coisas não os jogadores atuais e Zé Ricardo, que infelizmente acabam pagando o pato…  

The Aprendice 
Que o futebol brasileiro é sempre mau administrado todo mundo já sabe. Os contratos comerciais dos principais times brasileiros nem de longe chegam perto dos clubes europeus, num passado recente alguns clubes conseguiam fazer contratos vantajosos, mas baixos para os padrões dos grandes clubes do futebol mundial, alguns destes contratos encerraram e não foram renovados ou quando são é somente para uma temporada para avaliar o custo/benefício. Clubes como Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Santos, São Paulo, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Internacional, Grêmio, Vasco, Fluminense e Botafogo não ficam devendo nada em termos de tradição aos grandes do futebol europeu, mas a grande diferença é que alguns deles são administrados por amadores que agem com a paixão em vez da razão.

Capitão hereditário
Nas décadas de 80 e 90 o Guarani foi presidido por Beto Zini, famoso por interferir nos trabalho de qualquer técnico que passasse por lá. A média era de quatro técnicos por ano, e treinadores de forte personalidade como Joel Santana e Emerson Leão tiveram vida curta no Guarani. Na primeira passagem, Leão durou dois dias. O técnico havia recebido uma ordem que não era para usar o principal campo do Centro de Treinamento. Leão fez de conta que não era com ele e usou assim mesmo. No meio do treinamento veio um funcionário com a ordem de Zini que o treino deveria parar, e Leão, bem ao seu estilo respondeu atravessado, dizendo que no campo mandava ele e o presidente no gabinete. Minutos depois veio de novo o funcionário dizendo que o presidente mandava sim no campo e que Leão estava demitido. Zini dizia para quem quisesse ouvir que ele mandava mesmo, e era comum os técnicos receberem recados dele para tirar ou colocar determinados jogadores. Quem aceitava ficava, quem recusava era demitido sem apelação. Talvez isto explique um pouco da situação pelo qual passa o Guarani em décadas recentes… 

Histórias da bola
Em tempos de obscurantismo político no Brasil atual, onde a defesa da ditadura e de torturador virou uma constante, a célebre respostona do corajoso João Saldanha, entrou para os anais do futebol, como um ato de coragem dele que enfrentou um dos mais temidos ditadores brasileiros.

João Saldanha enfrentou o ditador Emilio Médici

João Saldanha e o ministério de Médici
Nos anos de chumbo da ditadura militar no Brasil, confrontar as autoridades era um sério risco para a saúde e integridade física. Nas eliminatórias para a Copa do Mundo em 1970, João Saldanha era o técnico da seleção brasileira e Emílio Garrastazu Médici era o ditador de plantão. Fanático por futebol Médici ia aos estádios e sua figura com o radinho de pilha no ouvido ficou famosa. Uma das suas diversões era palpitar sobre a seleção, além de pedir insistentemente que Dario, o Dadá Maravilha fosse convocado. João Saldanha que era conhecido pela sua falta de paciência e de modos se exasperou e respondeu ao presidente mostrando o seu lado de João ‘Sem medo’:

Quem escala a seleção sou eu, quando o presidente escalou o seu ministério ele não pediu a minha opinião. Além de dizer que não convocaria Dario de jeito nenhum. Por causa disto perdeu o emprego, e Mario Zagallo foi convocado para ser o técnico da seleção no México, levou Dario ao México como queria o ditador e o resto todos já sabem.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *