Fernanda Covert é psicóloga e mãe voluntária no grupo ‘O Dom Especial de Ser mãe’, além de ser palestrante de temas relacionados ao autismo e intervenções familiares e também mãe de um menino autista. O A Notícia USA, publicou a reportagem “Grupo ‘O Dom Especial de Ser Mãe’ auxilia famílias de crianças autistas”, Fernanda Covert foi citada por causa do seu trabalho junto a pais de crianças autistas. A reportagem entrevistou Fernanda Covert sobre o assunto. Confira as suas respostas a seguir.

Como é possível auxiliar pais de crianças especiais que tem dificuldade em aceitar o fato?
Aproximadamente 1 em 54 crianças nos Estados Unidos são diagnosticadas com Autismo. O aumento significativo na porcentagem do diagnóstico se deve a vários fatores, incluindo avaliações e diagnósticos mais aprimorados. Quando os pais escutam pela primeira vez: “sua criança tem autismo” – é um momento de assimilação e conflitos internos. Todos os pais têm sonhos e quando sonhamos o céu é o limite, e quando um diagnóstico, como o autismo, que não tem cura aparece nas vidas das famílias, é um grande impacto e seria como se o sonho, antes sem limites, agora tivessem limitações. Existem diferentes sentimentos e emoções ligados a um diagnóstico de autismo e durante esse processo de assimilação, ocorrem também as fases do luto que ocorre no sentido da perda daquela expectativa materna criada e construída durante toda a vida da criança, ou até mesmo antes dela nascer. As fases do luto são compostas por cinco estágios: negação, raiva, depressão, barganha e aceitação. Durante as fases do luto não há uma ordem sistemática de como essas emoções são experimentadas. Cada pessoa pode experimentar um, alguns, ou todos esses estágios em momentos diferentes. Por muitas vezes, alguns pais podem ficar estacionados em uma das fases de elaboração do luto e assim ocorrer uma demora na adaptação às novas necessidades que a criança e a família precisam. Nesses casos, é muito importante entender que o luto é esperado e é até natural. Mas focar em estratégias para canalizar a dor e transformá-la em força para aceitar, reagir e avançar é fundamental e vai trazer ganhos significativos para a criança e a família. No entanto, conectar-se com grupos de suporte pode ser um importante fator nesse processo, pois nesse espaço de troca, partilha e pertencimento ocorrem também muitas oportunidades de cura e crescimento em diversas áreas do maternar atípico. Outro fator importante é buscar atendimentos psicológicos: individuais ou com foco na família também é um fator fundamental para a elaboração e aceitação de uma forma mais completa e com mais equilíbrio emocional, social e físico. E o mais importante é ter em mente que a criança é muito mais do que um diagnóstico e que aprender a celebrar coisas diferentes de forma diferente também pode ser maravilhoso. 
Uma criança especial exige cuidados especiais. Quais são esses cuidados?
Crianças com necessidades especiais requerem muito amor da família, suporte da rede de apoio e da comunidade para o seu crescimento. Contudo, existem muitas terapias disponíveis que servem para diferentes finalidades, mas todas com o objetivo principal de ajudar as crianças a alcançar o maior potencial das suas habilidades. A intervenção precoce e a combinação certa de terapias para uma condição existente podem trazer ganhos significativos ao longo do tempo. 

No caso do autismo, as terapias mais recomendadas são: 
Applied behavior analysis (ABA) – Terapia da análise do Comportamento Aplicada
ABA é uma terapia intensiva e com um plano de tratamento individualizado e visa uma melhora nas habilidades cotidianas para que o indivíduo com o diagnóstico, possa ter uma melhor qualidade de vida e adquirir uma independência satisfatória. 
Terapia da fala 
Os fonoaudiólogos auxiliam as crianças no processo e desenvolvimento de linguagem através de métodos e recursos específicos para cada criança. 
Terapia ocupacional 
Estimula uma aquisição de competências, provendo trabalhar áreas da vida diária, escolar e atividades relacionadas ao brincar. Profissionais da área da saúde, vão poder fazer as recomendações de acordo com as necessidades de cada criança. Essas terapias são recomendadas.
Como pais de crianças especiais podem ser ajudados, inclusive psicologicamente?
É importante lembrar que a decisão de ter filhos, é uma decisão muito importante na vida de cada família e que qualquer filho traz mudanças significativas na vida dos pais. Uma criança que precisa de mais cuidado, refletirá em uma maternidade com mais preocupações e incertezas, mas também trará outros ensinamentos e momentos únicos na vida dos pais.

Gostaria de dividir três dicas importantes para os pais de crianças especiais: 
Coloque a máscara primeiro em você
Todo mundo que já viajou de avião alguma vez na vida já ouviu as seguintes instruções dos comissários de bordo: “Coloque a máscara primeiro em você, depois na pessoa ao seu lado”. E essas instruções valem também na hora do maternar atípico, pois você não vai conseguir realmente ajudar alguém se você não estiver bem. Então, lembre-se de focar na sua saúde mental e no autocuidado. Assim você, sua criança e a sua família podem voar juntos e voar muito mais alto. 

Lembre-se que a comparação, rouba a felicidade
A comparação da sua criança com outras crianças, principalmente as da mesma idade, são inevitáveis. Afinal, buscamos sempre uma régua para entender o que as crianças da mesma idade estão fazendo e como estão se desenvolvendo. Mas, é importante entender que esse ato de comparação com o mundo externo, pode trazer muita ansiedade e tristeza para os pais. Por que essa busca da comparação está sempre ligada ao que “a sua criança ainda não está fazendo” e o que você como cuidador está “precisando focar para desenvolver aquela habilidade na sua criança”. Porém, eu trago uma reflexão sobre a única comparação que realmente importa. É a comparação da criança com ela própria, sempre tendo como base um intervalo de tempo, depois de meses ou anos. O que a sua criança não estava fazendo no ano passado que hoje ela faz? Quais são as habilidades que a minha criança hoje consegue desenvolver que antes não conseguia? Dessa forma, trocamos a nossa narrativa de expectativas fora do nosso controle, para um momento de celebração das habilidades já adquiridas, afinal, nossas crianças são seres únicos, como todos nós. 
Faça um exercício diário de gratidão
Reconheça as suas habilidades, seus talentos e pratique gratidão diariamente. Explore os seus hobbies e se envolva em atividades que te trazem bem-estar.  Expressar gratidão, manter-se positivo e conectado com a sua religião ou espiritualidade é a melhor forma de viver em harmonia. Celebre as suas vitórias e as vitórias da sua criança e lembre-se que mesmo com todos os desafios que enfrentamos, também temos momentos de imensa alegria e experiências memoráveis. 

Fernanda Covert será uma das palestrantes do evento em agosto

No dia 12 de agosto, Fernanda Covert participará como palestrante da International Conferences do CBI of Miami. Com o tema ABA – Análise do Comportamento Aplicada no Transtorno do Espectro Autista que será realizada na Universidade de Harvard. O tema da palestra de Fernanda será relacionado ao autismo e intervenções familiares. O evento será presencial, no campus da Harvard em Boston e será emitido um certificado internacional de participação.

Jehozadak Pereira

By Jehozadak Pereira

Jehozadak Pereira, é jornalista profissional especializado em jornalismo comunitário e produção de conteúdo informativo e de utilidade pública. É ganhador de inúmeros prêmios e reconhecimentos pela qualidade do seu trabalho comunitário e voluntário. É o editor-chefe e principal articulista do A Notícia USA.

Leave a Reply

Your email address will not be published.