Ora, disse o SENHOR a Abrão: sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, e vai para a terra que te mostrarei…”, Gênesis 12.1.

Existem vários motivos que nos levam a sonhar e, nos aventurar, mudando para um outro país. Uma boa parte dos brasileiros que veio para os Estados Unidos, estava cheio de sonhos: vamos trabalhar, ganhar em dólares, e na maioria dos casos, dar um salto fenomenal na própria história… 

Então você junta dinheiro, tira o passaporte e se arrisca em tentar conseguir um visto. Caramba: consegui o visto! E lá vai sozinho ou com uma parte da família. Sem saber nem dizer oi em inglês. Tem um amigo que vai me encontrar no aeroporto. E lá vamos nós viver num teto emprestado. Vamos pegar no pesado porque não temos muita escolha… 

E agora é ir tentando entender este novo país: adaptar-se aos costumes, estilo, desafios. Os que vieram para ficar tem um pesadelo a mais: o visto de permanência é de seis meses. Depois vamos ficar ilegais. (Tem também os que por motivos óbvios se aventuram na travessia pela fronteira). Tem também um montão de gente que vive numa situação análoga…

Se alguém da família ficou no Brasil, temos ainda que enviar mensalmente alguma coisa, até que é bom que o real vá se desvalorizando. E vamos alimentando nossos sonhos, daqui a um ano, uns anos eu vou voltar. E se é para ficar, queremos um visto de trabalho, greencard. Pode até ser um casamento… 

O tempo vai passando e alguns desistem e voltam antes de terminar o tempo do visto de permanência. Outros quando as expectativas não se concretizam, outros são pegos pela imigração e repatriados. Fim trágico dos sonhos e expectativas… 

Tem gente que fica anos na ilegalidade. Com medo da imigração. Com medo de cometer alguma irregularidade. No Brasil avançava sinal de trânsito, não respeitava faixa de pedestre. Agora, respeita tudo com medo de ser encontrado na ilegalidade…

De qualquer maneira quando chegamos as terras do Tio Sam, estamos cheios de esperanças, de projetos. Aí nos envolvemos no trabalho: part time, full time, over time, horas e horas trabalhadas para economizar, para garantir o sustento ou, enviar para os que ficaram no Brasil. Ou ainda, ficar tentando algum documento que assegure a permanência legal. 

Tem gente que passeia e ainda encontra tempo para se divertir; se une a uma igreja de fala portuguesa. Tem gente que até sonha encontrar um casamento que lhe permita legalizar.

O que cada um que chega às terras do Tio Sam deve focar é que precisa se organizar, se estruturar. Um excelente momento de amadurecimento… 

Em qual destas situações você se coloca? Além de não perder o foco, não perca a esperança, continue. Continue! 

Comece a pensar com os pensamentos dos que já se regularizaram, se adaptaram. Aprenda a falar inglês; aprenda a conhecer as leis mais urgentes para que seu dia a dia seja o mais tranquilo possível.

Então misture um pouco de otimismo com um bom bocado de realidade e viva o melhor que puder onde agora você está. E se encha de otimismo e de esperança.

Continue a pensar seriamente que tudo vai se regularizar, tudo vai melhorar! Continue! Se organize! Seja objetivo! Tudo vai dar certo no tempo próprio…

Doriscelio de Souza Pinheiro

By Doriscelio de Souza Pinheiro

Doriscelio de Souza Pinheiro, é carioca de São Fidelis e mora em Volta Redonda, Rio de Janeiro. É pastor Batista desde 1971; professor de História no Ensino Médio, Sociologia e Filosofia. É teólogo; pós graduado em Metodologia no Ensino Superior; Pedagogo; Mestre em Teologia; Psicanalista; pós graduado em Ensino de Sociologia e Filosofia e pós graduado em Psicopedagogia. É cronista e poeta

Leave a Reply

Your email address will not be published.