Vivemos um tempo muito complicado quando queremos expressar nossa opinião sinceramente. Então eu vou me expressar, “pisando em ovos!”

 No capítulo 20 do livro de Êxodo, versículo 13, está escrito: “Não matarás”. Este versículo nos leva a refletir sobre o que realmente quer falar, ao se referir a “não matar”.

Primeiramente sou absolutamente contra a pena de morte. Também sou absolutamente contra a eutanásia. Estas duas afirmações e opiniões minhas, talvez não encontre muita dificuldade. Talvez…

Também sou contra a venda indiscriminada de armas para quem quiser da população. O que traz de segurança social que muita gente tenha acesso a armas?

Sei que nos Estados Unidos há um forte debate a respeito da disseminação do uso e da posse de armas. Pessoalmente defendo que temos muitas ações para a criação de uma sociedade justa que devemos defender e participar. Agora, defender o porte de armas de uma forma indiscriminada, não me parece uma medida justa e equilibrada.

Recentemente tivemos no Brasil uma discussão muito séria a respeito do aborto. Uma menina de 11 anos foi estuprada possivelmente por um familiar ou da intimidade da família. Ela teve a sua infância roubada por algum criminoso que usou, talvez, da intimidade familiar para violar o corpo ainda quase infantil dela.

O que dizem as leis brasileiras a respeito do aborto? Aceitam o aborto em três situações bem definidas: estupro, má formação congênita do feto ou risco eminente de morte da mãe.

Nestas três situações a lei brasileira estabelece o comportamento das autoridades médicas e judiciais responsáveis. Sou absolutamente contrário a qualquer forma de aborto que esteja além das que as leis brasileiras já garantem.

Deveríamos acreditar que as famílias tivessem maior cuidado com os seus filhos e seus entes queridos ainda crianças e adolescentes. Porém, sabemos que hoje temos um grande número de famílias desestruturadas e sem cuidados específicos com os seus entes, membros ainda indefesos ante a crueldade de muitos que se aproveitam da proximidade e da intimidade para agredir fisicamente e sexualmente os menores de idade (infância e adolescência).

Pessoalmente creio que o aborto deve ter um limite de tempo. Por exemplo: pode ocorrer até as oito primeiras semanas de gestação, dentro dos casos específicos garantidos pelas leis brasileiras e com a plena assistência das autoridades médicas e dos órgãos que cuidam da criança e do adolescente.

No caso da menina, o que nos assusta é que deixaram passar muitas semanas e que o feto já deveria estar bem desenvolvido. O aborto legal deveria ter sido feito bem antes do momento atual. Se cremos que desde a fecundação o que temos já é um ser humano, fica muito trágico o aborto após este tempo.

A criança agredida e violentada, ainda carrega um grande peso emocional. Como ficará esta menina daqui alguns anos? 

A solução estaria em famílias bem estruturadas. E aí não tem nada a ver com a situação econômica-social da família. Família de qualquer classe social pode ser atingida por um drama de gravidez indesejada e ainda por cima vindo de um estupro de vulnerável.

Como agir numa situação desta? Sem radicalismo e sem pré-julgamentos. Cuidar primeiramente de analisar a vida familiar da criança/adolescente vítima; analisar a situação perante as leis brasileiras e americanas; procurar os órgãos competentes que cuidam da criança e do adolescente; acompanhar a família envolvida; lutar para que os agressores, estupradores e criminosos sejam condenados pelas autoridades responsáveis.

Nenhuma das ações que proponho resolverá a questão crucial: uma menina ou um menino foi agredido e violentado.

Como falar de esperança numa situação desta? Ter a plena certeza que nosso compromisso cristão é sofrer com os que sofrem; é ter sensibilidade para não ser radical em situações como estas. Pedir orientação ao SENHOR para que DELE venha algo que nos ilumine a caminhar com segurança e com maturidade em casos como estes, que, infelizmente, ainda poderão a vir novamente a acontecer.

Este caso que analisamos, é mais um entre tantos problemas sociais, éticos e morais, que devemos enfrentar com maturidade e equilíbrio.

Foto da capa: Jehozadak Pereira/A Notícia USA

Disclaimer
“All opinions and commentaries expressed by the participants in this interview are solely their personal current opinions and comments and do not reflect the opinions of A NOTICIA USA, their employees, business partners, directors, or affiliates, and may have been previously disseminated by them. The interview participants` opinions are based upon information they consider reliable, but neither A NOTICIA USA nor its affiliates, warrant its completeness or accuracy, and it should not rely upon as such”.

Doriscelio de Souza Pinheiro

By Doriscelio de Souza Pinheiro

Doriscelio de Souza Pinheiro, é carioca de São Fidelis e mora em Volta Redonda, Rio de Janeiro. É pastor Batista desde 1971; professor de História no Ensino Médio, Sociologia e Filosofia. É teólogo; pós graduado em Metodologia no Ensino Superior; Pedagogo; Mestre em Teologia; Psicanalista; pós graduado em Ensino de Sociologia e Filosofia e pós graduado em Psicopedagogia. É cronista e poeta

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *