“… Ora, a esperança não confunde…” Carta do Apóstolo Paulo aos Romanos, 5.5.

Não somos confundidos quando alimentamos nossa esperança.

Não somos confundidos, quando exercemos nossos gestos de agradecimento.

O mesmo Apóstolo Paulo, o mais importante e primeiro teólogo do Cristianismo, deixa-nos uma mensagem simples a respeito do gesto de agradecer: “… e sede agradecidos”, conforme a a carta do Apóstolo Paulo aos Colossenses 3.15.

O grande dilema de todos nós é que temos muita facilidade em nos queixar de um amontoado de coisas que não acontecem segundo os nossos critérios.

Vivemos numa sociedade, aqui no Brasil, profundamente desigual. Mais de 30 milhões de brasileiros estão hoje vivendo na mais completa miséria. São mais de 12 milhões de desempregados. A inflação corrói profundamente os nossos salários.

Estes fatos aqui citados condensadamente, criam um clima de insegurança e de angústia e depressão.

Aí, os que possuem uma tendência para queixar-se de tudo e de todos, tem um prato feito.

Ser agradecido é um passo importante para nos conscientizarmos de que sempre podemos ter uma visão de otimismo realista: está ruim mas pode melhorar…

Ser agradecido é ainda um primeiro momento de cada um de nós avaliar o que pode ser feito por mim mesmo. Podemos fazer esta simples pergunta: o que posso fazer para melhorar? O que você pode fazer para melhorar os níveis sociais e econômicos de nosso país, neste momento de profunda crise política, ética, social e econômica.

Ser agradecido é ainda a possibilidade de, cada um de nós, fazer um lista de quanto temos recebido, mesmo em tempo de crise. Vamos ver que, mesmo em pequenas gotas, temos recebido alguns pequenos afagos. Poderia ser pior mas ainda temos algo que agradecer. Sempre devemos ter algo que agradecer.

O agradecimento é uma peça fundamental para quem ter alimentar a esperança. E manter a esperança não é um ato alienatório. Mesmo que sejamos tentados a descrer de uma melhora, a esperança deve ser uma opção para termos a visão de que vai melhorar. O amanhã é sempre um vir a ser mas, pode ser a última expectativa que temos de alimentar.

Continue exercendo pequenos atos de misericórdia. Tem sempre alguém que necessita mais que nós. Ao ajudar alguém não espere que virá um agradecimento. Seja você agradecido por poder ajudar alguém. O ato de ajudar já nos enobrece.

Um mundo melhor se concretiza com pequenos atos de misericórdia de cada um de nós.

Foto capa: Holocaust Memorial Boston – Jehozadak Pereira/A Notícia USA

Doriscelio de Souza Pinheiro

By Doriscelio de Souza Pinheiro

Doriscelio de Souza Pinheiro, é carioca de São Fidelis e mora em Volta Redonda, Rio de Janeiro. É pastor Batista desde 1971; professor de História no Ensino Médio, Sociologia e Filosofia. É teólogo; pós graduado em Metodologia no Ensino Superior; Pedagogo; Mestre em Teologia; Psicanalista; pós graduado em Ensino de Sociologia e Filosofia e pós graduado em Psicopedagogia. É cronista e poeta

Leave a Reply

Your email address will not be published.